quarta-feira, 22 de setembro de 2010

Misha no Brasil

Maior nome vivo da dança, Mikhail Baryshnikov traz ao Brasil o espetáculo Três Solos e Um Dueto, com a consagrada bailarina espanhola Ana Laguna. Sucesso na Europa e nos EUA, a apresentação encanta público e crítica desde a sua estreia, em 2009, não apenas pela vitalidade dos bailarinos em cena, algo pouco visto em profissionais com mais de 50 anos.

Com coreografias de Mats Ek, Benjamin Millepied e Alexei Ratmansky, a turnê sul-americana de Três Solos e Um Dueto estreia no Brasil em São Paulo (19 e 20 de outubro, no Teatro Alfa) e segue por Porto Alegre (27 de outubro, no Teatro do SESI), Rio de Janeiro (29 e 31 de outubro, no Theatro Municipal), Brasília (4 de novembro, no Teatro Nacional Cláudio Santoro) e Manaus (14 e 15 de novembro, no Teatro Amazonas), além de passar por Buenos Aires (23 e 24 de outubro, no Teatro Coliseo) e Lima (9 e 10 de novembro, no Teatro Municipal). O espetáculo marca a volta de Baryshnikov ao Brasil após uma apresentação solo em 1998 e uma excursão com a companhia Hell’s Kitchen Dance, em 2007, quando abriu o 25º Festival de Dança de Joinville.

Em Três Solos e Um Dueto, Mikhail Baryshnikov e Ana Laguna brilham em um programa de quatro peças. O primeiro é Valse-Fantasie, com coreografia do russo Alexei Ratmansky, na qual Baryshnikov dança o tema do compositor Mikhail Glinka (1804-1857), considerado o pai da música erudita russa. A seguir Ana Laguna dança uma versão de Solo for Two, criada especialmente para ela pelo coreógrafo sueco Mats Ek, com quem é casada. O terceiro segmento traz uma nova versão do incensado número Years Later, em que Baryshnikov dança à frente de imagens de si mesmo jovem, em coreografia do francês Benjamin Millepied, o principal nome do New York City Ballet. No encerramento, os dois artistas voltam juntos ao palco em Place, peça de 22 minutos coreografada por Mats Ek, na qual Baryshnikov e Ana Laguna interagem, em movimentos harmoniosos, com uma mesa e um tapete, trazendo os elementos cenográficos ao centro da narrativa.

Preciso me falar que tô tendo um treco para ir assistir? E que, justo quando ele está no Brasil, eu não estou? Arrrrrgh!


2 comentários:

Barbara disse...

Oi Ana,

Nao achei sapatilha Só dança aqui na Joao Cachoeira... liguei na Cyma e me disseram q da Só Dança eles só tem a de lona (sem redinha em baixo), é essa?

Beijoo

escrevendo com os pés disse...

Amo esse homem..........rsrs.........no bom sentido.