quinta-feira, 26 de novembro de 2009

Vídeo

Achei no site do Badischen Staatstheaters a obra-prima EWIGES ROM - LEBENDIGES ROM (ETERNA ROMA - ROMA DE VIDA), de Terence Kohler, em vídeo (fotos no site também). Começa com o Marquinhos! Mas tem Namba, Diego e vários outros brasileiros que arrasam na Alemanha. Êêê, saudade!

ETERNA ROMA - ROMA DE VIDA
Três estreias mundiais para o Ballet de Badischen Staatstheaters

Ars Amandi

Música: Luigi Nono, anônimo (15.-século Itália)
Coreografia: Renato Zanella
Cenários e figurinos de Christof Cremer

Um paradoxo inicialmente estranho, mas aqui reside a ideia de estas palavras: "O amor é apenas uma faixa - a arte do amor é quase que exclusivamente a não realização do superficial."

A cama de Giulia Farnese

Música: Giacomo Puccini, Dmitri Shostakovich
Coreografia: Jörg Mannes
Cenários e figurinos: Susanne Sansa Sommer

Tarantella

Música: Grand Tarantelle para Piano e Orquestra, Op. 67 por Louis Moreau Gottschalk, reconstruída e orquestrada por Hershy Kay
Coreografia: George Balanchine
Rehearsal: Nanette Glushak
Figurinos: Karinska
Estreou em 7 Janeiro 1964 em Nova York

A mais famosa de dança folclórica do sul da Itália, a Tarantella, foi inspiração para o pas de deux.

Empty Frames


Música: Luigi Nono, Antonio Martin y Coll
Coreografia, palco e figurinos: Terence Kohler

Terence Kohler se inspirou na arquitetura romana e nos tesouros de arte da Cidade Eterna. Ele desperta a antiga dança para a vida.

Clique aqui para babar.

quarta-feira, 25 de novembro de 2009

Cursos de férias - Verão 2010

Para quem já está procurando cursos de dança para as próximas férias, aí vão algumas dicas:


CURSO DE FÉRIAS PULSARTE


MÓDULOS PULSARTE – Férias 2010
Aproveite as férias e o final de semana e venha aprimorar seu conhecimento técnico e artístico na Pulsarte com nossos módulos teóricos!

Datas:
Janeiro e Fevereiro de 2010

Módulos:
Iluminação Cênica;
Concepção Coreográfica;
Consciência Corporal e Anatomia;
Pedagogia para professores e bailarinos – Prática de ensino;
Prevenção de Lesões;
Repetiteur.

Investimento:
R$ 60,00 a R$ 80,00 p/módulo.

Ministrado por:
Wagner Alvarenga; Gisella Martins e Simone Sant’Anna

Local: PULSARTE
Rua Pereira Leite, 55 – Alto de Pinheiros – São Paulo
Tel.: 11- 3868-2008/ 11-3877-1115
www.pulsarte.com.br

CUBALLET

O maior curso de verão da América Latina Intercâmbio Cultural Brasil/Cuba.

Espaço Cultural Eldorado - Centro Pró Danza de Cuba.

Cuballet é o nome do curso de intercâmbio cultural realizado pelo Centro Pró Danza de Cuba, dirigido por Laura Alonso, filha da lendária bailarina cubana Alícia Alonzo. São atividades que promovem a difusão do método cubano de Ballet Clássico, cada vez mais respeitado no mundo inteiro.

Desde 2000 o Cuballet tem se realizado, sempre em Janeiro, no Espaço Cultural Eldorado, a cada ano apresentando a montagem de um ballet de repertório diferente.

CURSO DE FÉRIAS PAVILHÃO D - RICARDO SCHEIR

De 11 a 23/01, das 9 às 18h, com apresentação no dia 23.
Aulas de técnica clássica e repertório.

terça-feira, 24 de novembro de 2009

Pas de bourrée



PAS DE BOURRÉE - Bourrée é o nome de uma dança folclórica das províncias de Auvergne e Berri. Sua conexão com o pas de bourrée do ballet clássico é obscura, tendo sido introduzido, com certa estilização, por alguns coreógrafos contemporâneos. É um passo de locomoção, em geral com três movimentos das pernas, feitos em qualquer direção. Existem vários pas de bourrée diferentes: Pas de bourrée devant, derrière, devant com o pé de trás, derriére com o pé da frente, dessous, dessous com o pé da frente, dessus, dessus com o pé de trás, piqué, en avant, en arrière, a 4 et 5 pas, en première, couru, renversé, en tournant, ouvert - ou couru (RAD).

quarta-feira, 18 de novembro de 2009

Eu estava lá!

Um pedacinho dos ballets que vi estrearem e serem montados em Karlsruhe, na Alemanha.
Um grande amigo, Marcos Menha, é primeiro-bailarino lá. Mal posso acreditar que tenha feito aula nesse lugar de pessoas maravilhosas.

segunda-feira, 16 de novembro de 2009

Bolshoi e Lady Gaga



Lady Gaga tocou um piano cor-de-rosa acompanhada pelo ballet Bolshoi, no 30º aniversário do Museu de Arte Contemporânea de Los Angeles, neste sábado (14).

A cantora apresentou uma música nova, Speechless, durante o evento.

quinta-feira, 5 de novembro de 2009

Grand Moscow Classical Ballet

Em novembro, os termômetros de Moscou, na Rússia, chegam a marcar seis graus negativos. O clima brasileiro, portanto, promete agasalhar os inúmeros bailarinos da companhia Grand Moscow Classical Ballet, que inicia hoje, em Porto Alegre (RS), sua turnê pelo país. Tanto quanto o sol – que, aliás, anda cedendo espaço para muita chuva -, as palmas tupiniquins serão responsáveis pelo calor oferecido aos russos, em uma excursão, coordenada pela empresa de entretenimento Time For Fun, que visita oito cidades de sete estados. O Cine-Theatro Central é o primeiro palco a receber, nesta sexta, “Dom Quixote”, com música de León Minkus, já que os gaúchos verão outro espetáculo, “A bela adormecida”, de Tchaikovsky.

As duas montagens revelam as apuradas técnicas da companhia, nascida, há 43 anos, com apoio do Ministério da Cultura da então União Soviética. Sem deixar o passado para trás, os artistas lapidam os passos com influências modernas. A procura por uma linguagem inovadora, a propósito, é uma das heranças deixadas pelo fundador Igor Moiseyev, um dos mais importantes coreógrafos do século XX, morto em 2007, aos 101 anos.
Em 1977, N. Kasatkina e V. Vasilyov, principais solistas do Ballet Bolshoi entre 1950 e 1970, assumiram a direção artística da instituição e passaram a atuar de forma decisiva para consolidar o Grand Moscow nos tablados internacionais. “As tradições devem ser preservadas, mas a nossa vocação sempre foi levantar propostas que acrescentam algo. A arte precisa se transformar, sem, necessariamente, romper com as origens”, analisa a dupla comandante, em entrevista por e-mail. Mais de 20 produções já foram encenadas em 30 países da Europa, da América e da Ásia. Os coreógrafos do grupo também realizaram trabalhos para o Bolshoi e o Kirov, os mais
conceituados balés do país do socialismo.

Segundo a professora e bailarina local Vivian Mockdece, toda e qualquer equipe russa costuma esbanjar disciplina e primazia. Tendo estado em Moscou e em São Petersburgo em 1992, ela garante ter visto de perto o perfeccionismo exigido desde a infância. “Para as alunas da cidade, essa apresentação será uma boa oportunidade de aprendizagem e crescimento.” De acordo com Kasatkina e Vasilyov, a responsabilidade dos representantes da dança clássica russa é grande, já que a região é conhecida por sua cultura secular. Por isso, os ensaios são constantes, mesmo durante as turnês. Antes dos espetáculos, o elenco faz aquecimento físico e ajustes técnicos no palco por duas horas. “Nos momentos livres, procuramos conhecer um pouco de cada lugar. Nem sempre há tempo, mas fazemos o possível.”

Recentemente, o Grand Moscow, que esteve no Brasil pela última vez em 1981, recebeu o título de “companhia acadêmica”, uma menção honrosa concedida pelo Governo russo a poucas instituições de balé. Seus bailarinos também são premiados e contam com mais de 15 medalhas de ouro em competições internacionais. Toda essa dedicação exige alguns sacrifícios. “Somos obrigados a abrir mão de alguns momentos”, admitem Kasatkina e Vasilyov. Mesmo assim – garantem – o reconhecimento do público é uma recompensa pela qual vale a pena lutar.

História contada com passos, “Dom Quixote” possui três atos, com seis cenas, prólogo e epílogo. O libreto e a produção são de N. Kasatkina e V. Vasilyov, assim como a coreografia, que eles dividem com o inesquecível Marius Petipa, criador da maioria dos grandes clássicos. Os cenários são de L. Solodovnikov e E. Dvorkina.

A adaptação mais famosa e duradoura da obra de Miguel de Cervantes para o balé aconteceu em 1869, para o Bolshoi. Mesmo tendo sofrido críticas por não conter a profundidade da influência espanhola, a música de León Minkus foi fundamental para o sucesso e a popularização da empreitada, por misturar momentos apoteóticos e sutis.

Ao mesmo tempo, o trabalho de Petipa não seguiu à risca a obra literária, levando para o centro da virtuosa cena o romance de Quitéria e Basílio. Forçada por seu pai a aceitar a corte do rico comerciante Gamanche, a moça reluta em plena praça e é observada por Dom Quixote. De imediato, o fidalgo a confunde com Dulcinéia, a mulher de seus sonhos, e propõe ao pretendente um desafio. Em seguida, acaba sendo expulso da cidade. Enquanto isso, Basílio finge estar se suicidando e pede ao pai de Quitéria que lhe conceda um último desejo: a mão de sua filha. O velho aceita e surpreende-se ao ver o jovem feliz e cheio de saúde. Já na estrada, Dom Quixote participa da festa dos ciganos e bebe demais, lutando bravamente – em mais uma de suas fantasias – com carroças de marionetes e moinhos de vento.

por Raphaela Ramos

SÃO PAULO (SP) – 20 DE NOVEMBRO, 21H

  • Espetáculo: “Bela Adormecida”
  • P. I. TCHAIKOVSKY (3 atos: 1º 57 min; 2º e 3º juntos – 1h10m)
  • Duração: 127’

SÃO PAULO (SP) – 21 DE NOVEMBRO, 21H

  • Espetáculo: “A Bela Adormecida”
  • P. I. TCHAIKOVSKY (3 atos: 1º 57 min; 2º e 3º juntos – 1h10m)
  • Duração: 127’

SÃO PAULO (SP) – 22 DE NOVEMBRO, 20H

  • Espetáculo: “Dom Quixote”
  • L. MINKUS (3 atos: 1º 37min., 2º 40min., 3º 25min.)
  • Duração: 102’

INFORMAÇÕES

  • Local: Teatro Abril
  • Endereço: Av. Brigadeiro Luís Antônio, 411 – Bela Vista
  • Telefone para informações: (11) 2144-5444
  • Site: http://www.teatroabril.com.br
  • Capacidade: 1.530
  • Acesso para deficientes, ar condicionado


PREÇOS DE INGRESSOS


NORMAL


½ ENTRADA


Ouro VIP

R$200,00

R$100,00

Platéia A

R$170,00

R$85,00

Camarote

R$160,00

R$80,00

Platéia B

R$140,00

R$70,00

Platéia A Rosa

R$120,00

R$60,00

Platéia B Rosa

R$100,00

R$50,00

  • Meia-entrada: obrigatória a apresentação do documento previsto em lei que comprove a condição de beneficiário. Venda limitada na forma da Lei nº 11.355/93.

quarta-feira, 4 de novembro de 2009

A evolução da dança

A história é a mesma. Um príncipe se apaixona por uma princesa transformada em cisne e um bruxo da floresta quer que ele fique com a irmã má, o cisne negro. A música é a mesma. A coreografia também. Só que nos vídeos abaixo é possível ver como o ballet clássico também evoluiu. O primeiro, de 1958, mostra Alicia Alonso, a maior bailarina cubana de todos os tempos, em uma versão simples e extremamente artística. Veja 10 anos depois como ela executa praticamente os mesmos passos. E, por fim, meu cisne negro preferido: Yulia Makhalina, do Kirov.
As duas têm algo em comum: uma grande interpretação desse papel genial, feito para poucas bailarinas, independentemente da altura do arabesque e de quantas piruetas consegue girar.
Dica da minha aluna Lu Alvez, que caçou as preciosidades no YouTube.